Atenção à Saúde

Rede Iluminar de cuidados às Vítimas de Violência Sexual

 

Obstáculos

 

Principais obstáculos

O obstáculo mais difícil que enfrentamos foi convencer os profissionais a se envolverem com o atendimento as vítimas sem medo, sem fazer juízo de valor, agindo com uma escuta competente e afetiva, e considerar esse tipo de violência uma questão de saúde e não de polícia.

Convencer as coordenações dos serviços a trabalharem em rede, compartilharem experiências positivas e crescer com as dificuldades buscando ajuda dentro da própria rede; pois existe uma cultura de que esse é meu pedaço ninguém fiscaliza, dar opinião etc.

Enfrentar as dificuldades de desenvolver ações sociais que restabeleçam a vida das vítimas e de suas famílias após um grande trauma e as dificuldades com a justiça para punir os agressores.

 

Estratégias para lidar com os obstáculos.

Definir uma coordenação para a rede com respaldo técnico e político (não partidário) junto aos serviços.

Capacitar todos os serviços conjuntamente para que se conheçam melhor e estabeleçam um contato mais profissional antes da implantação do programa.

Dar respaldo legal, técnico e institucional (elaboração da lei de notificação, consultas aos conselhos profissionais, conselhos de direitos e assessoria jurídica) aos profissionais envolvidos no cuidado para terem segurança de se envolverem com o caso.

Integrar todos os programas já existentes no município para evitar duplicação de serviços. Programa de Saúde da Família, Plano de Enfrentamento de violência do município, etc.

Manter monitoramento constante dos serviços e buscar soluções para as dificuldades junto à própria rede e nos órgãos governamentais.

Divulgar as ações do programa amplamente em todas as mídias para garantir a urgência do atendimento, para encorajar as vítimas a sair da escuridão e para possibilitar o controle social do programa pela população.

 

Obstáculos mais persistentes

A violência sexual tanto doméstica como urbana é a forma mais cruel de violência sofrida pelo ser humano, interfere na vida das vítimas e de suas famílias de forma tão traumática que poucas vítimas conseguem retomar sua vida sem enfrentar traumas que envolvem a sexualidade a afetividade e a cidadania. Cuidar dessas vítimas mobiliza nos profissionais e nos cidadãos e cidadãs envolvidas sentimentos de indignação, nojo, medo, ódio e impotência e de uma imensa solidão. A maior dificuldade do programa atualmente tem sido dar suporte aos profissionais envolvidos no cuidado por falta de um serviço que cuide do cuidador com frequência e competência.

 

Conquistas

A mais importante conquista do Iluminar foi possibilitar as vítimas de ambos os sexos e de todas as idades a assistência à saúde física e psicossocial prioritariamente às questões de polícia (antes da implantação do Programa apenas 20% das vítimas chegavam aos Serviços de Saúde em tempo hábil para a Prevenção, pois a primeira ação das vítimas e das famílias era se encaminhar a uma Delegacia de Polícia) prevenindo a gravidez por estupro, as DST/Aids/Hepatite e garantindo o direito ao abortamento legal, evitando a REVITIMIZAÇÃO através do trabalho em rede e quebrando a corrente de violência, cuidando das crianças, adolescentes e dos homens. As pesquisas indicam que por volta de 40% das pessoas autoras de violência sexual foram vitimizadas na infância e adolescência e não foram tratadas.

 

Voltar para página principal