SAMU 192 CAMPINAS - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência

História:

Até a década de 90, existia no município uma "Frota de ambulâncias" tripulada e gerenciada por motoristas sem capacitação específica, que realizavam transporte de pacientes para os serviços de saúde.  

A partir de 1991 houveram iniciativas de grupos de voluntários do Hospital  Municipal e ações da Secretaria de Saúde no sentido de estruturar um Sistema de atendimento pré-hospitalar integrado ao Resgate do Corpo de Bombeiros que garantisse um atendimento de qualidade para os pacientes vítimas de urgências clínicas e traumáticas, articulado com toda rede de serviços de saúde do município.  

Em 1994, impulsionados pela política da Secretaria de Estado que previa a estruturação dos Sistemas de Urgência no Estado, foi desencadeado o processo de planejamento do serviço.  

Em 1995  foi iniciado  o SAMU  ainda não oficialmente mas começando a  trabalhar conforme os padrões exigidos atualmente, com Regulação médica .  Neste período houve muita  resistência pelo RESGATE ,   que realizava esse trabalho , por  incompetência do serviço de saúde .  Com a responsabilização  pela Secretaria de Saúde , assumindo agora  a parcela da urgência ,   ultrapassamos as barreiras e mantivemos  a qualidade.   

Em junho de 1996 é o SAMU 192  é  oficialmente inaugurado pelo Pref. José Roberto Magalhães Teixeira  gerenciado por médicos, que além da frota de ambulância agora devidamente equipada, já contava com a figura do médico regulador nas 24 horas para gerenciamento dos chamados com base em critérios técnicos precisos, previamente estabelecidos, uma equipe de motoristas com formação em suporte básico de vida e uma equipe de enfermagem especializada para o atendimento pré-hospitalar. 

Em 1998 com um prédio próprio mas mantendo dificuldades de Recursos Humanos, número inadequado de viaturas e  meios de comunicação também precária, além de dificuldades para inserir o paciente nos hospitais. A  partir da Portaria n.º 814/GM de 01 de junho de 2001 assinada pelo ministro José Serra  define então o atendimento pré hospitalar   e determina que o médico regulador é uma AUTORIDADE SANITÁRIA PÚBLICA, que por delegação do Gestor do SUS, irá ordenar e coordenar o uso de todos os recursos envolvidos no atendimento de saúde às urgências sejam elas civis , militares, públicas ou privadas.

Outro item importante é o  conceito de vaga zero onde  garante o atendimento do paciente ,  mesmo não  existindo leito disponível. Este critério é determinado apenas pela Central de regulação Médica.

Em 2002, com recursos do Ministério da Saúde,  foram capacitados no atendimento de urgência e emergência 460 profissionais médicos e de enfermagem da Secretaria de Saúde e DIR XII,no período de maio a novembro. Em 05 novembro de 2002  é publicada pelo Ministério da Saúde a portaria 2.048 criando o Regulamento Técnico para os Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência, fortalecendo os conceitos que vigoram no Sistema de Urgência e Emergência  de Campinas desde a primeira portaria.  

Em 2003  ,  o Governo Federal , reconhecendo necessidade do atendiento de urgência , Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão  pela Portaria PORTARIA Nº 1863/GM Em 29 de setembro de 2003).  

Esse reconhecimento  inicia-se como prioridade pelo  componente hpr-e hospitalar – SAMU  onde Institui a implantação de Serviços de Atendimento Móvel de Urgência em municípios e regiões de todo o território brasileiro: SAMU- 192 conforme a Portaria Nº 1864/GM Em 29 de setembro de 2003.  

Essa Portaria determina o financiamento para investimento e custeio do componente pré-hospitalar móvel, visando à implantação e implementação dos SAMU – 192.  

As ambulâncias serão adquiridas na proporção de um veículo de suporte básico à vida para cada grupo de 100.000 a 150.000 habitantes, e de um veículo de suporte avançado à vida para cada 400.000 a 450.000 por habitantes.

Equipamentos:

- para Municípios com população até  250.000 habitantes: até R$ 100.000,00;  

- para Municípios com população entre 250.000 e 500.000 habitantes: até R$ 150.000,00;  

- para Municípios com população acima de 500.000 habitantes: até R$ 200.000,00.  

- Área física:  

- para Municípios com população  até 250.000 habitantes: até R$ 50.000, 00;  

- para Municípios com população entre 250.000 e 500.000 habitantes: até R$ 100.000,00;  

- para Municípios com população acima de 500.000 habitantes: até R$ 150.000,00.  

Ao Ministério da Saúde, por intermédio do Fundo Nacional de Saúde, competirá realizar repasses regulares e automáticos de recursos aos respectivos fundos de saúde, para manutenção das equipes efetivamente implantadas, segundo os seguintes parâmetros:  

a) por Equipe de Suporte Básico: R$ 12.500,00 por mês;  

b) por Equipe de Suporte Avançado: R$ 27.500,00 por mês;  

c) por Equipe da Central SAMU-192: R$ 19.000,00 por mês.  

Os recursos de custeio repassados pelo Ministério da Saúde no âmbito desta Portaria deverão ser destinados exclusivamente à manutenção e qualificação dos SAMU.  

Apresentar Termo de Ciência e Compromisso, assinado pelo gestor estadual ou municipal, de que a secretaria municipal ou estadual de saúde, aplicará os recursos transferidos pelo Ministério da Saúde, a título de custeio, no desenvolvimento das ações previstas neste projeto;  

Apresentação trimestral de indicadores de desempenho do serviço, baseados no tempo resposta e seus componentes, casuística de atendimento e taxas de mortalidade evitável e mortalidade geral no ambiente de atenção pré-hospitalar, com avaliação do desempenho segundo padrões de sobrevida e taxa de seqüelas e seguimento no ambiente hospitalar,  

Acompanhamento e avaliação das ações:

1 - o acompanhamento e avaliação das ações será efetuado por intermédio da apresentação trimestral de casuística e de indicadores de desempenho a seguir relacionados:  

1.1 - tempo médio de resposta entre a chamada telefônica e a chegada da equipe no local da ocorrência.  

1.2 - tempo médio decorrido no local da ocorrência.  

1.3 - tempo médio de transporte até a unidade de referência.  

1.4 - tempo médio de resposta total (entre a solicitação telefônica de atendimento e a entrada do paciente no serviço hospitalar de referência).

1.5 - indicadores de adequação da regulação (% de saídas de veículos de Suporte Avançado após avaliação realizada pela equipe de Suporte Básico).

1.6 - taxas de mortalidade evitável e mortalidade geral no ambiente de atenção pré-hospitalar, com avaliação do desempenho segundo padrões de sobrevida e taxa de seqüelas e seguimento no ambiente hospitalar.

1.7 - mortalidade hospitalar imediata dos pacientes transportados (24 horas).  

1.8 - casuística de atendimento de urgência por causa clínica e as relacionadas às causas externas, considerando localização das ocorrências e suas causalidades, idade, sexo, ocupação, condição gestante e não gestante.

B - Regulação da Atenção às Urgências: papéis e responsabilidades dos gestores do Sistema Único de Saúde.

Padronização visual

1 - as ambulâncias, os uniformes e uma série de materiais das equipes seguirão a mesma padronização visual definida pelo Ministério da Saúde em todos os municípios e estados que tenham projetos qualificados, com espaços pré-definidos para as logomarcas do Governo Federal, Governo Estadual e/ou do Município;  

2 - as áreas de urgência dos hospitais de referência também deverão receber um selo padrão de identificação;  

3 - a padronização é fundamental para garantir a identificação das equipes e dos hospitais ligados ao  SAMU, facilitando a comunicação com a população.  

No pré-hospitalar móvel, o SAMU enfrenta dificuldades após quase oito anos de sua criação. As mais importantes são relativas ao conhecimento da população e dos parceiros de serviços de saúde do real papel a ser desempenhado pelo serviço. É comum ser acionado para atendimentos de baixa complexidade, transportes de caráter social e ser questionado pelos solicitantes quanto a sua função de regulação. Neste sentido os avanços no reconhecimento do papel do médico regulador aconteceram de forma bem menor do que se esperava. Permanecem alguns fluxos mal compreendidos, principalmente entre os serviços que prestam alguma assistência pré-hospitalar, em especial Corpo de Bombeiros, Concessionárias de autovias e serviços particulares. O Corpo de Bombeiros, indispensável no resgate a vítimas, tem sua assistência pouco pactuada com o SAMU, encaminhando freqüentemente pacientes a serviços diretamente sem regulação prévia.  A sociedade em geral está ainda pouco envolvida com a importância da responsabilidade de cada cidadão em situações de emergências. Os aparelhos de segurança como a Guarda Municipal, Defesa Civil e Policia Militar encontram-se no mesmo contexto do Corpo de Bombeiros. As equipes de trabalho do SAMU não são treinadas continuamente, não existindo recursos específicos para cursos de reciclagem, simulações de catástrofes e participações em cursos e congressos da área.

Estrutura predial própria, submetida a uma reforma em 2008.

Sala da Coordenação, Secretaria Geral, Sala do CPD, Sala de Regulação, Auditório de Capacitação, Sala de Pequenos Reparos, Almoxarifado, Dispensação, Lavador de Viaturas, Pátio de Viaturas, Expurgo, Cozinha e Refeitório, Conforto Médico, Conforto Equipe Centro, Sala de Armazenamento de Gases, Centro de Materiais de Limpeza.

ABASTECIMENTO DE VIATURAS

O abastecimento das viaturas é feito diariamente no DETI - Departamento de Transportes da Prefeitura Municipal das 07:00 as 18:00 horas. Aos sábados até XXXXXXXXX

- Todas as viaturas são equipadas com GPS que informam suas posições ao Operador de Frota. Também estão equipadas com rádios fixos e móveis de responsabilidade da enfermagem para comunicação em tempo real do local com os Médicos ou com a Central.

Em 13 de Abril de 2007, a Central de Regulação, foi transferida para a CIMCamp – Central Integrada de Monitoramento onde realiza todos os atendimentos 192 e respectivas regelações médicas.

Após a reforma, a Central de Regulação retornou a sua Sede Própria, mantendo na CIMcamp 01 Equipe de Suporte Avançado e 01 equipe de Suporte Básico além de um agente no Monitoramento para manter a observação pelas câmeras  e a Integração entre os Órgãos.

Estão presentes na CIMCamp além do SAMU 192, Guarda Municipal, Emdec, Setec e Defesa Civil.

Nesta Central de Monitoramento, cerca de 330 câmeras serão monitoradas, assim como, as equipes locais, poderão acionar os serviços dos respectivos Órgãos e os apoios necessários podem ser acionados imediatamente, pois estando no mesmo local.

A integração dos Serviços qualifica ainda mais os atendimentos assim como as relações profissionais entre os Órgãos, obtendo maior respeito, agilidade e limites de cada um.

O Sistema permite uma comunicação ágil com a equipe dos outros serviços de Segurança Pública como RESGATE, DEFESA CIVIL, EMDEC, POLÍCIA MILITARE GUARDA MUNICIPAL, favorecendo a integração das equipes e uma otimização de recursos nos atendimentos oferecidos à população.

Atendimento de Urgência:

Na Central de Regulação, o SAMU 192 CAMPINAS, atende 8 linhas telefônicas à disposição dos usuários pelo número 192 que são recebidas 24 horas, por 03 TARMS (técnico auxiliar de regulação médica) que registram o chamado, identificam o endereço e passam ao médico regulador para que este converse diretamente com o solicitante, avaliando a gravidade do caso e decidindo qual o recurso mais adequado às necessidade do solicitante.

Regulação Médica:

Todas as ligações são passadas aos Médicos Reguladores (03 médicos reguladores de urgências clínicas e traumáticas e 01 médico regulador de urgências psiquiátricas).

Os Médicos, definem a gravidade e a prioridade do chamado, oferecendo desde uma Orientação Médica até um atendimento móvel de urgência com as Viaturas de Suporte Avançado (UTI) ou Suporte Básico com equipes qualificadas para os atendimentos conforme cada situação.

Também monitoram os atendimentos, orientando as equipes de enfermagem, alguma medicação necessária para a estabilização do paciente no local da ocorrência.

Os atendimentos podem ter seu fim após esse atendimento ou em caso de necessidade da continuação de avaliação diagnóstica ou de tratamento, são encaminhados aos diversos Prontos Socorros dos Prontos Atendimentos ou Hospitais.

Operadores de Frota:

Dispensam os atendimentos regulados pelos médicos as 15 viaturas (3 VSA e 12 VSB) que permanecem descentralizadas com a finalidade de atender mais rápido os 300 chamados de urgência  diários.

Controlam a frota pro GPS e definem por região, os atendimentos de urgência.

Registram os dados em planilha adequada para que possam ser efetuados os trabalhos estatísticos avaliados pela coordenação mensalmente e apresentados ao Portal da Prefeitura para a apreciação dos interessados.

Frota de Viaturas e Bases Descentralizadas

Frota de ambulâncias de urgência

Desde 2007 estamos descentralizados em Bases da Guarda Municipal.

Base Cimcamp : 01 Viatura de Suporte Avançado e 01 Viatura de Suporte Básico

Base Centro: 01 Viatura de Atendimento Psiquiátrica e 03 Viaturas de Suporte Básico  

Base GM Taquaral: 01 Viatura de Suporte Avançado e 03 Viaturas de Suporte Básico

Base GM DIC 6: 01 Viatura de Suporte Avançado e 03 Viaturas de Suporte Básico

Base GM Florence: 02 Viaturas de Suporte Básico

1.)   VSA - Viatura de Suporte Avançado

- 03 Ambulâncias tipo UTI móvel, tripuladas por 01 médico, 01 enfermeiro, 01 motorista socorrista.

- Equipada com material de suporte básico e avançado de vida, possui monitor cardíaco, desfibrilador, oxímetro de pulso, respirador artificial, medicamentos e materiais para realização de pequenas cirurgias.
- Atende ocorrências clínicas e traumáticas de maior gravidade como infartos, arritmias, convulsões e acidentes de trânsito e violência urbana com vítimas graves.

- Treinados para conduzir e atender em situações de grandes acidentes realizando a triagem dos casos, atendimento dos mais graves e transporte aos hospitais conforme definido pelo Médico regulador.

2.) VSB - Viaturas de Suporte Básico de Vida

-12 Ambulâncias utilizadas para atendimento de gravidade moderada, contam na tripulação com motorista socorrista e auxiliar de enfermagem, especializados em atendimento pré-hospitalar. Ficam descentralizadas, pois permanecem em atendimento contínuo sempre próximo de algum atendimento a ser realizado.

- São equipadas com materiais de suporte básico de vida, imobilizações, medicamentos, oxigênio.

- A equipe acompanha o doente e mediante comunicação com a base via rádio, pode medicá-lo conforme orientações do médico regulador. São realizados procedimentos de enfermagem como curativos, administração de soros, medicações e feitas as imobilizações.

Transportam aos Serviços de Saúde caso seja orientado pelo Médico Regulador

 

3) Viatura para Atendimento Psiquiátrico

Desde 2003, estamos com médicos psiquiátricos 24 horas de plantão que realizam as Regulações Médicas de casos psiquiátricos e apoio aos serviços de saúde assim como atuam no atendimento emergencial de casos agudos, de forma adequada, medicando e estabilizando no local ou transportando à um CAPS ou um Hospital para internação.

 

 

Equipe de Trabalho

Serviços Disponíveis e Executados

Missão

História

Capacidade Instalada

Regulação médica - atribuições

SAEC

Orientações ao usuário

Atendimento a população

Mapa de localização da Unidade

Dados e números

Fotos

Fotos da Equipe

 

Retorna a página inicial da unidade